quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Cristo salva os pecadores: Charles Haddon Spurgeon (1834-1892)


Enquanto eu ver as pisadas de meu Senhor diante de mim, e enquanto ver ainda mais sinais cheios de graça que confirmem meus labores; enquanto ver que Seu nome é engrandecido, Sua glória é incrementada, e as almas que perecem são salvas, (e graças sejam dadas a Deus pelo que temos visto a cada dia), enquanto este Evangelho me der segurança, enquanto o Espírito de Deus me mover, e enquanto os sinais evidentes multiplicarem os selos de meu ministério, quem sou eu para me deter por causa do homem, ou resistir ao Espírito Santo por qualquer carne que tenha fôlego? Oh, então, você que é o pior dos pecadores, você, é o mais vil dos vis, você que é a escória da cidade, o descarte da terra, o lixo da criação, a quem ninguém procura, você que tem o caráter destruído, e cuja alma está imunda no mais íntimo, tão negra que nenhum lavador da terra pode branqueá-la, tão envilecido que nenhum moralista creria que é recuperável! Venha você, venha a Cristo.

Venha seguindo Seu próprio convite. Venha, e será recebido com toda certeza com calorosas boas-vindas. Meu Senhor disse que Ele recebe pecadores. Seus inimigos afirmaram sobre Ele: "Este recebe pecadores". De fato e em verdade sabemos, com certeza, que Ele certamente recebe os pecadores, testemunhado pelos próprios inimigos.

[...].

Ouçam de novo: "Aquele que crê será salvo." Crer é confiar em Cristo; lançar-se nesses benditos braços que podem sustentar o pecador mais pesado que jamais encontrou fôlego; deixá-Lo fazer tudo por vocês, até que lhes tenha dado vida, e lhes tenha permitido ocupar-se do que Ele previamente planejou para vocês, "sua própria salvação,"; e inclusive isto deve ser feito com "temor e tremor." Deus Todo Poderoso conceda, que alguma pobre alma possa ser abençoada hoje! Você que está à costa, não espero lhe fazer bem algum. Se eu tiver um dispositivo para lançar cordas mar adentro, é somente um barco encalhado, ou o marinheiro náufrago aquele se regozijará ao ver a corda. Vocês que se consideram salvo, não têm necessidade de que eu lhes pregue; vocês são tão perigosamente bons em sua própria opinião, que é inoportuno que eu tente fazê-los melhores; são todos tão terrivelmente justos, que podem seguir muito bem seu caminho, sem nenhuma advertência de minha parte. Devem desculpar-me, portanto, se não tenho outra coisa a dizer, exceto esta: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas!", e permitam-me dirigirme à outra classe de pessoas, aos mais vis dos vis. Não me importa se tenho o apelido de ‘o pregador dos mais desprezíveis e vis’; não me envergonharia de ser denegrido como Rowland Hill, como o predicador das classes mais desprezíveis; pois eles precisam do Evangelho tanto como qualquer outra criatura abaixo do céu; e se ninguém lhes prega, com a ajuda de Deus, esforçar-me-ei por pregar-lhes o Evangelho com palavras que possam entender. [...].De alguma maneira ou outra, fá-los-ia ouvir o Evangelho se pudesse; e me esforçarei por pregar de tal maneira que o entendimento mais limitado seja capaz de entender este fato: "Este recebe pecadores". Que Deus os abençoe a todos, por Cristo Senhor nosso!

                                                             Uma Exortação aos Pecadores. 
Charles Haddon Spurgeon (1834-1892)
www.projetoryle.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário