sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

READING PSALMS (KING JAMES VERSION/ALMEIDA REVISTA E CORRIGIDA)



PSALM 88
A Song or Psalm for the sons of Korah, to the chief Musician upon Mahalath Leannoth, Maschil of
Heman the Ezrahite.
O LORD God of my salvation, I have cried day and night
before thee:
2 Let my prayer come before thee: incline thine ear unto my
cry;
3 For my soul is full of troubles: and my life draweth nigh
unto the grave.
4 I am counted with them that go down into the pit: I am as
a man that hath no strength:
5 Free among the dead, like the slain that lie in the grave,
whom thou rememberest no more: and they are cut off from
thy hand.
6 Thou hast laid me in the lowest pit, in darkness, in the
deeps.
7 Thy wrath lieth hard upon me, and thou hast afflicted me
with all thy waves. Selah.
8 Thou hast put away mine acquaintance far from me; thou
hast made me an abomination unto them: I am shut up, and
I cannot come forth.
9 Mine eye mourneth by reason of affliction: LORD, I have
called daily upon thee, I have stretched out my hands unto
thee.
10 Wilt thou shew wonders to the dead? shall the dead arise
and praise thee? Selah.
11 Shall thy lovingkindness be declared in the grave? or thy
faithfulness in destruction?
12 Shall thy wonders be known in the dark? and thy
righteousness in the land of forgetfulness?
13 But unto thee have I cried, O LORD; and in the morning
shall my prayer prevent thee.
14 LORD, why castest thou off my soul? why hidest thou thy
face from me?
15 I am afflicted and ready to die from my youth up: while I
suffer thy terrors I am distracted.
16 Thy fierce wrath goeth over me; thy terrors have cut me
off.
17 They came round about me daily like water; they
compassed me about together.
18 Lover and friend hast thou put far from me, and mine
acquaintance into darkness.

Salmos
88.1   SENHOR, Deus da minha salvação, diante de ti tenho clamado de dia e de noite.

88.2   Chegue a minha oração perante a tua face, inclina os teus ouvidos ao meu clamor.

88.3   Porque a minha alma está cheia de angústias, e a minha vida se aproxima da sepultura.

88.4   Já estou contado com os que descem à cova; estou como um homem sem forças,

88.5   posto entre os mortos; como os feridos de morte que jazem na sepultura, dos quais te não lembras mais; antes, os exclui a tua mão.

88.6   Puseste-me no mais profundo do abismo, em trevas e nas profundezas.

88.7   Sobre mim pesa a tua cólera; tu me abateste com todas as tuas ondas. (Selá)

88.8   Alongaste de mim os meus conhecidos e fizeste-me em extremo abominável para eles; estou fechado e não posso sair.

88.9   A minha vista desmaia por causa da aflição. SENHOR, tenho clamado a ti todo o dia, tenho estendido para ti as minhas mãos.

88.10   Mostrarás tu maravilhas aos mortos, ou os mortos se levantarão e te louvarão? (Selá)

88.11   Será anunciada a tua benignidade na sepultura, ou a tua fidelidade na perdição?

88.12   Saber-se-ão as tuas maravilhas nas trevas, e a tua justiça na terra do esquecimento?

88.13   Eu, porém, SENHOR, clamo a ti, e de madrugada te envio a minha oração.

88.14   SENHOR, por que rejeitas a minha alma? Por que escondes de mim a tua face?

88.15   Estou aflito e prestes a morrer, desde a minha mocidade; quando sofro os teus terrores, fico perturbado.

88.16   A tua ardente indignação sobre mim vai passando; os teus terrores fazem-me perecer.

88.17   Como águas me rodeiam todo o dia; cercam-me todos juntos.

88.18   Afastaste para longe de mim amigos e companheiros; os meus íntimos amigos agora são trevas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário