quinta-feira, 5 de março de 2015

READING PSALMS (KING JAMES VERSION/ALMEIDA REVISTA E CORRIGIDA)

 PSALM 144
A Psalm of David.

1 BLESSED be the LORD my strength, which teacheth my
hands to war, and my fingers to fight:

2 My goodness, and my fortress; my high tower, and my
deliverer; my shield, and he in whom I trust; who subdueth
my people under me.

3 LORD, what is man, that thou takest knowledge of him! or
the son of man, that thou makest account of him!

4 Man is like to vanity: his days are as a shadow that
passeth away.

5 Bow thy heavens, O LORD, and come down: touch the
mountains, and they shall smoke.

6 Cast forth lightning, and scatter them: shoot out thine
arrows, and destroy them.

7 Send thine hand from above; rid me, and deliver me out
of great waters, from the hand of strange children;

8 Whose mouth speaketh vanity, and their right hand is a
right hand of falsehood.

9 I will sing a new song unto thee, O God: upon a psaltery
and an instrument of ten strings will I sing praises unto
thee.

10 It is he that giveth salvation unto kings: who delivereth
David his servant from the hurtful sword.

11 Rid me, and deliver me from the hand of strange
children, whose mouth speaketh vanity, and their right hand
is a right hand of falsehood:

12 That our sons may be as plants grown up in their youth;
that our daughters may be as corner stones, polished after
the similitude of a palace:

13 That our garners may be full, affording all manner of
store: that our sheep may bring forth thousands and ten
thousands in our streets:

14 That our oxen may be strong to labour; that there be no
breaking in, nor going out; that there be no complaining in
our streets.

15 Happy is that people, that is in such a case: yea, happy is
that people, whose God is the LORD.

Salmos
144.1   Bendito seja o SENHOR, minha rocha, que adestra as minhas mãos para a peleja e os meus dedos para a guerra;

144.2   benignidade minha e fortaleza minha; alto retiro meu e meu libertador és tu; escudo meu, em quem eu confio, e que me sujeita o meu povo.

144.3   SENHOR, que é o homem, para que o conheças, e o filho do homem, para que o estimes?

144.4   O homem é semelhante à vaidade; os seus dias são como a sombra que passa.

144.5   Abaixa, ó SENHOR, os teus céus e desce; toca os montes, e fumegarão.

144.6   Vibra os teus raios e dissipa-os; envia as tuas flechas e desbarata-os.

144.7   Estende as mãos desde o alto; livra-me e arrebata-me das muitas águas e das mãos dos filhos estranhos,

144.8   cuja boca fala vaidade e cuja mão direita é a destra da falsidade.

144.9   A ti, ó Deus, cantarei um cântico novo; com o saltério e com o instrumento de dez cordas te cantarei louvores.

144.10   É ele que dá a vitória aos reis e que livra a Davi, seu servo, da espada maligna.

144.11   Livra-me e tira-me das mãos dos filhos estranhos, cuja boca fala vaidade e cuja mão direita é a destra da iniquidade.

144.12   Para que nossos filhos sejam, como plantas, bem-desenvolvidos na sua mocidade; para que as nossas filhas sejam como pedras de esquina lavradas, como colunas de um palácio;

144.13   para que as nossas despensas se encham de todo o provimento; para que os nossos gados produzam a milhares e a dezenas de milhares em nossas ruas;

144.14   para que os nossos bois sejam fortes para o trabalho; para que não haja nem assaltos, nem saídas, nem clamores em nossas ruas.

144.15   Bem-aventurado o povo a quem assim sucede! Bem-aventurado é o povo cujo Deus é o SENHOR!

Nenhum comentário:

Postar um comentário