sexta-feira, 22 de maio de 2015

READING MICAH (KING JAMES VERSION/ALMEIDA REVISTA E CORRIGIDA)



CHAPTER 7

1 WOE is me! for I am as when they have gathered the
summer fruits, as the grapegleanings of the vintage: there is
no cluster to eat: my soul desired the firstripe fruit.

2 The good man is perished out of the earth: and there is
none upright among men: they all lie in wait for blood; they
hunt every man his brother with a net.

3 That they may do evil with both hands earnestly, the
prince asketh, and the judge asketh for a reward; and the
great man, he uttereth his mischievous desire: so they wrap
it up.

4 The best of them is as a brier: the most upright is sharper
than a thorn hedge: the day of thy watchmen and thy
visitation cometh; now shall be their perplexity.

5  Trust ye not in a friend, put ye not confidence in a
guide: keep the doors of thy mouth from her that lieth in thy
bosom.

6 For the son dishonoureth the father, the daughter riseth up
against her mother, the daughter in law against her mother
in law; a man’s enemies are the men of his own house.

7 Therefore I will look unto the LORD; I will wait for the
God of my salvation: my God will hear me.

8  Rejoice not against me, O mine enemy: when I fall, I
shall arise; when I sit in darkness, the LORD shall be a light
unto me.

9 I will bear the indignation of the LORD, because I have
sinned against him, until he plead my cause, and execute
judgment for me: he will bring me forth to the light, and I
shall behold his righteousness.

10 Then she that is mine enemy shall see it, and shame
shall cover her which said unto me, Where is the LORD thy
God? mine eyes shall behold her: now shall she be trodden
down as the mire of the streets.

11 In the day that thy walls are to be built, in that day shall
the decree be far removed.

12 In that day also he shall come even to thee from Assyria,
and from the fortified cities, and from the fortress even to
the river, and from sea to sea, and from mountain to
mountain.

13 Notwithstanding the land shall be desolate because of
them that dwell therein, for the fruit of their doings.

14 Feed thy people with thy rod, the flock of thine
heritage, which dwell solitarily in the wood, in the midst of
Carmel: let them feed in Bashan and Gilead, as in the days
of old.

15 According to the days of thy coming out of the land of
Egypt will I shew unto him marvellous things.

16  The nations shall see and be confounded at all their
might: they shall lay their hand upon their mouth, their ears
shall be deaf.

17 They shall lick the dust like a serpent, they shall move
out of their holes like worms of the earth: they shall be
afraid of the LORD our God, and shall fear because of thee.

18 Who is a God like unto thee, that pardoneth iniquity, and
passeth by the transgression of the remnant of his heritage?
he retaineth not his anger for ever, because he delighteth in
mercy.

19 He will turn again, he will have compassion upon us; he
will subdue our iniquities; and thou wilt cast all their sins
into the depths of the sea.

20 Thou wilt perform the truth to Jacob, and the mercy to
Abraham, which thou hast sworn unto our fathers from the
days of old.

Miquéias 7.1   Ai de mim! Porque estou como quando são colhidas as frutas do verão, como os rabiscos da vindima: não há cacho de uvas para comer, nem figos temporãos que a minha alma desejou.

7.2   Pereceu o benigno da terra, e não há entre os homens um que seja reto; todos armam ciladas para sangue; caça cada um a seu irmão com uma rede.

7.3   As suas mãos fazem diligentemente o mal; o príncipe inquire, e o juiz se apressa à recompensa, e o grande fala da corrupção da sua alma, e assim todos eles são perturbadores.

7.4   O melhor deles é como um espinho; o mais reto é pior do que o espinhal; veio o dia dos teus vigias, veio a tua visitação; agora será a sua confusão.

7.5   Não creiais no amigo, nem confieis no vosso guia; daquela que repousa no teu seio guarda as portas da tua boca.

7.6   Porque o filho despreza o pai, a filha se levanta contra sua mãe, a nora, contra sua sogra, os inimigos do homem são os da sua própria casa.

7.7   Eu, porém, esperarei no SENHOR; esperei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá.

7.8   Ó inimiga minha, não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei; se morar nas trevas, o SENHOR será a minha luz.

7.9   Sofrerei a ira do SENHOR, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa e execute o meu direito; ele me trará à luz, e eu verei a sua justiça.

7.10   E a minha inimiga verá isso, e cobri-la-á a confusão, a ela que me diz: Onde está o SENHOR, teu Deus? Os meus olhos a verão sendo pisada como a lama das ruas.

7.11   No dia em que reedificar os teus muros, nesse dia, longe estará ainda o estatuto.

7.12   Naquele dia, virão a ti, desde a Assíria até às cidades fortes, e das fortalezas até ao rio, e do mar até ao mar, e da montanha até à montanha.

7.13   Mas esta terra será posta em desolação, por causa dos seus moradores, por causa do fruto das suas obras.

7.14   Apascenta o teu povo com a tua vara, o rebanho da tua herança, que mora só no bosque, no meio da terra fértil; apascentem-se em Basã e Gileade, como nos dias da antiguidade.

7.15   Eu lhes mostrarei maravilhas, como nos dias da tua saída da terra do Egito.

7.16   As nações o verão e envergonhar-se-ão, por causa de todo o seu poder; porão a mão sobre a boca, e os seus ouvidos ficarão surdos.

7.17   Lamberão o pó como serpentes; como uns répteis da terra, tremendo, sairão dos seus encerramentos; com pavor virão ao SENHOR, nosso Deus, e terão medo de ti.

7.18   Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniquidade e que te esqueces da rebelião do restante da tua herança? O SENHOR não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na benignidade.

7.19   Tornará a apiedar-se de nós, subjugará as nossas iniquidades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar.

7.20   Darás a Jacó a fidelidade e a Abraão, a benignidade que juraste a nossos pais, desde os dias antigos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário