terça-feira, 12 de maio de 2015

SALVO DO SUICÍDIO



      José Domínguez era uma pessoa de muito mau caráter. Havendo se casado, gastou todo o dinheiro que tinha no jogo e outros vícios, chegando a ficar completamente arruinado.

     Certo dia, desgostoso consigo mesmo, com a vida que levava e vendo o cárcere como única perspectiva para o futuro, se dirigiu a sua mesa e procurou nas gavetas o revólver, com o qual pensava pôr um fim a sua triste situação. Porém no lugar do que buscava veio a suas mãos um folheto que lhe havia sido dado fazia algum tempo na rua e o qual nem sequer se recordava, pois o havia jogado na gaveta sem sequer olhá-lo. O título que levava o relatado folheto, impresso com grandes letras que diziam: “Como orar”, cativou sua atenção, pelo que esquecendo o objeto que o havia levado ali, se pôs a ler o folheto, e depois de relê-lo várias vezes, caiu de joelhos, e com lágrimas nos olhos, suplicou a Deus que lhe desse o perdão de seus pecados e a paz de sua alma.

    Não há o que dizer além de que José Domínguez foi desde então um poder espiritual no distrito da Bahia. Muitas almas foram levadas aos pés do Mestre por meio do testemunho dado, muitas vezes com lágrimas, deste querido varão de Deus.

(Da Biografia de S. Ginsburg, Brasil)

EL RAYO DE LUZ.
TOMO IV, Nº 08, TALCACHUANO-CHILE, 20 DE AGOSTO DE 1928.

Disponível em:
 http://descubre.bibliotecanacional.cl

Nenhum comentário:

Postar um comentário