quinta-feira, 2 de julho de 2015

A JUSTIÇA DE CRISTO: MARTINHO LUTERO (1483-1546)




     É pois necessário pregar a Cristo de tal forma que da pregação brote em ti e em mim a fé e se mantenha conosco. Uma fé que só nasce e permanece, quando se nos prega a razão porque Cristo veio ao mundo, de que maneira poderemos nos valer dele e de seus benefícios, o que é que ele nos trouxe e deu. Pregar-se-á, deste modo, quando se interpreta devidamente a liberdade cristã, que
recebemos de Cristo; quando se nos diz de que modo somos reis, e sacerdotes, e donos, e senhores de todas as coisas; que Deus se compraz em tudo quanto fazemos e nos atende, como venho afirmando. O coração que ouve isto de Cristo, regozijar-se-á profundamente, sentir-se-á consolado, tornar-se-á brando para com Cristo e lhe responderá com amor, todas estas coisas, enfim, às quais o coração jamais poderia chegar mediante o cumprimento das leis e obras. Então, que poderá danificar ou atemorizar um coração que assim sente? Se o pecado e a morte se aproximam, sua fé lhe diz que a justiça de Cristo é sua e que seus pecados tão pouco são seus, mas de Cristo. Assim o pecado se desvanece diante da justiça de Cristo pela fé, como antes foi dito, e o homem
aprende a desafiar a morte e o pecado, aprende a dizer com o Apóstolo ( I Coríntios 15, 55-56-57) : "Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças a Deus que nos dá a vitória por intermédio de Nosso Senhor Jesus Cristo.”

Da Liberdade Cristã.
Martinho Lutero (1483-1546).
Editora Rotermund. Distribuição exclusiva da Editora Sinodal. São Leopoldo-RS, 1959, p. 31-32

Nenhum comentário:

Postar um comentário