domingo, 30 de agosto de 2015

Ajudar-te-ei: Charles Haddon Spurgeon (1834-1892)




Ajudar-te-ei... Isaías 41:10 (Tradução Brasileira)


     As promessas de ONTEM nos assegura a força para o que temos que fazer, mas estas promessas nos garante ajuda em casos onde não podemos agir sozinhos. O Senhor diz: “Ajudar-te-ei.” A força interior é suprida sem ajuda humana. Deus pode levantar aliados para nós em nossa batalha se isto, assim, parecer bem a Sua vista; e ainda que Ele não nos envie assistência humana, Ele mesmo estará ao nosso lado, e isto é ainda melhor. “Nosso aliado Augusto” é melhor do que legiões de ajudadores mortais.

    Sua ajuda é oportuna: Ele é um socorro bem presente na hora da angústia. Seu socorro é muito sábio: Ele sabe como dar a cada ser humano ajuda adequada e adaptada. Sua ajuda é mais efetiva, posto que vão é o socorro do homem. Seu socorro é mais do que ajuda, pois Ele carrega todo fardo, e supre toda necessidade. “O Senhor está comigo; não temerei o que me pode fazer o homem.

Por Ele ter prontamente sido nosso ajudador, sentimos confiança Nele no presente e no futuro. Nossa oração é: “Senhor, sê Tu meu ajudador”; nossa experiência é: “O Espírito também ajuda em nossas enfermidades”; nossa expectativa é: “Levantarei meus olhos para os montes, de onde me virá o socorro”; e logo nossa canção será: “Tu, Senhor, tem me ajudado.”

THE CHEQUE BOOK OF THE BANK OF FAITH.

Charles Haddon Spurgeon (1834-1892).

NEW YORK: A. C. ARMSTRONG & SON, 1889, p.6.

Nenhum comentário:

Postar um comentário