quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

A VIAGEM DO PEREGRINO - Novella mystica de JOHN BUNYAN

 



 Extraído de: Jornal do Brasil, nº 300, de 16 de Dezembro de 1928/ Acervo Fundação Biblioteca Nacional do Brasil

A VIAGEM DO PEREGRINO - Novella mystica de JOHN BUNYAN: "Christiano vestido com a armadura, desceu ao Valle da humilhação. Ahi encontrou o immundo Demonio Apolyon que o intimou a voltar se não quizesse morrer. Christiano não obedeceu e combateu o monstro, durando a porfia quasi o dia inteiro. Christiano esteve quasi a perecer mas por fim derrotou Apolyon. Depois de ter repensado, Christiano penetrou o Valle da Sombra da Morte. Ahi encontrou innumeros terrores e passou proximo as bocas do Inferno. Ao raiar do dia, porém, os perigos foram diminuindo e Christiano, acompanhado do Fé, a quem encontrara orando durante á noite, seguiu caminho. Mais adeante, Christiano e Fé, encontraram Evangelista. Este os avisou de que estavam proximos da Cidade da Vaidade, onde ha a celebre Feira e que ahi um deles seria martyrisado. Aconteceu como fôra predito. Fé, foi queimado vivo, mas sua alma subiu aos Céos em um carro de fogo. Christiano escapou á morte. Um jovem chamado Esperança alliou-se a Christiano. Ambos perderam-se em um desvio. Cedo, porém, descobriram estarem apartados da estrada, mas chegou a noite antes que pudessem retoma-la. Foram, então, capturados pelo Gigante Desespero que os aprisionou. Escaparam com a chave chamada Promessa.



A VIAGEM DO PEREGRINO -Novella mystica de JOHN BUNYAN

 




 Extraído de: Jornal do Brasil, nº 300, de 15 de Dezembro de 1928/ Acervo Fundação Biblioteca Nacional do Brasil

A VIAGEM DO PEREGRINO - Novella mystica de JOHN BUNYAN: "Depois Christiano attingiu a um outeiro, onde uma Cruz erguia-se sobre um Sepulcro, dentro do qual sua carga cahiu por fim. Então tres Fórmas Radiosas vieram a elle, vestiram-n'o de novo, puzeram uma marca luminosa sobre sua fronte e deram-lhe um rolo de pergaminho que elle devia apresentar no Portão Celestial. Christiano seguiu alegremente o seu caminho até que attingiu o outeiro da Difficuldade. O caminho era aspero e ingreme e em meio da jornada desejou repousar em um camaranchão que o Senhor mandara construir para descanço dos peregrinos. Ah! adormeceu e o pergaminho que lhe recommendaram guardar com cuidado, cahiu-lhe das mãos. Quando despertou, seguiu apressadamente para adeante encontraria leões mas Christiano ia prosseguir, quando deu falta do pergaminho. Voltou atraz para o procurar e regressou para enfrentar os perigos de sua jornada. De repente olhou e viu dous leões na sua frente. Christiano hesitou, mas para além dos leões brilhava o Palacio do Bello. O porteiro gritou que os leões estavam presos, e assim o peregrino e foi e bem recebido pela Discreção, pela Prudencia, pela Piedade e pela Caridade. Ahi descançou. As donzellas deram-lhe então uma forte Armadura.

A VIAGEM DO PEREGRINO -Novella mystica de JOHN BUNYAN




Fonte: Jornal do Brasil, nº 299, de 14 de Dezembro de 1928/ Acervo Fundação Biblioteca Nacional

A VIAGEM DO PEREGRINO -Novella mystica de JOHN BUNYAN: publicado no Jornal do Brasil, nº 299, de 14 de Dezembro de 1928: "Christano cidadão da cidade da Destruição estava em grande Desespero. Curvava-se sobre uma enorme carga, a convicção do pecado, e da qual ninguem o podia livrar. Leu em um livro que sua cidade e todos os seus habitantes seriam destruidos e em sua afflicção clamava em altas vozes: "Que farei?". Veiu então a elle Evangelista e disse-lhe que poderia livrar-se de sua carga fazendo uma peregrinação à Cidade Celestial. A entrada do caminho que para lá conduzia era pela Porta do Proposito. Christiano tentou persuadir sua mulher e sua familia a acompanha-lo, e como recusaram, partiu só. Na sua pressa de iniciar sua peregrinação, Christiano cahiu no grande pantano do Desanimo, que ficava adeante da Porta do Proposito. A carga que levava ás costas, difficultava-lhe sahir do lodaçal e estava quasi a morrer, quando foi salvo pelo Auxilio. Chegou, finalmente, á Porta do Proposito, onde bateu pedindo entrada. O Guarda da Porta deixou-o entrar e mostrou-lhe o caminho, explicando que elle não erraria porque o caminho a seguir differia dos outros por ser sempre estreito e abrupto. Cristiano segui sempre até chegar á casa de Interprete, onde muitas cousas lhe foram reveladas."


O Reformador Philippe Melanchton (1497-1560)


   O Reformador Philippe Melanchton (1497-1560): amigo de Lutero, Melanchton foi também um precursor de grandes reformas na educação. Ajudou a criar colégios e universidades. Fonte da foto: Almanach Eu Sei Tudo, nº 3, Agosto de 1933, p. 85.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

O Reformador Ulrico de Zuinglio (1484-1531)

Fonte da foto: Almanach Eu Sei Tudo, nº 5, Outubro de 1931, p. 52.

 O Reformador Ulrico de Zuinglio (1484-1531): Zuinglio nasceu em Saint Gall, na Suíça, em 1484. Estudou em Viena, Áustria. Foi pastor e residiu em Zurich, na Suíça, onde estabeleceu a Reforma Protestante. Em 1531 faleceu na batalha de Kappel em 1531.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Reverendo Samuel Rhea Gammon (1865-1928)

 

 Fonte da foto de Samuel Rhea Gammon: O Instituto, nº 3, de Julho de1930, p. 1.

Reverendo Samuel Rhea Gammon (1865-1928): O Instituto Presbiteriano Gammon em Lavras, Minas Gerais, é famoso no Brasil inteiro e leva o sobrenome deste ministro que dedicou boa parte de seu trabalho missionário a esta obra educacional. Samuel Gammon nasceu em Bristol, Virginia, nos Estados Unidos, em 30 de Março de 1865. O periódico do Gammon intitulado "O Instituto", nº 3 de Julho de 1930 traz na primeira página as "Notas Biographicas" de Samuel Gammon, reproduzindo matéria publicada no jornal de Lavras denominado "O Município", que rendeu homenagem, no ano de 1928, prestando condolências pela morte de Samuel Gammon: "Veio para o Brasil em 1889, para Campinas Estado de São Paulo, trabalhando no Collegio Internacional, ali fundado em 1869. Casou-se com d. Guilhermina Humpries, tendo apenas uma filha desse consorcio: d. Maria Isabel Davis, esposa do rev. A. L. Davis, residente em Varginha. D. Guilhermina Gammon, também uma grande educadora a quem Lavras muito deve, falleceu em Maio de 1908. Em 1891 a febre amarella grassava, pela segunda vez, intensamente, em Campinas. A East Brazil Mission resolveu transferir o Collegio para outro logar. O dr. Gammon foi encarregado desse mister. Já conhecia Lavras, pois viajára nesta zona em 1890. Não tinhamos estradas de ferro, embora estivessem projectadas todas as communicações ora existentes. Outras cidades, em melhores condições talvez, reclamavam a primazia. Mas Samuel Gammon previa o futuro. Conhecia nosso clima admiravel: augurava um porvir esplendido para a nossa cidade. Resolveu a mudança do Collegio em 1892, sob a denominação de “Instituto Evangelico”, nome que cedeu ao de “Instituto Gammon” em 1928, como uma justa homenagem ao fundador e reitor desde trinta e seis annos. Casou-se em segundas nupcias, em 1911, com d. Clara Genet Moore, professora do Collegio Carlota Kemper, que lhe sobrevive, deixando cinco filhos menores: Alice, Audley, Guilhermina, José e Ricardo."

A Conversão do Emprestador de Dinheiro a Juros

  

Foto de Samuel Mello: Adventures with the Bible in the Brazil de Frederick C. Glass, p. 167

A Conversão do Emprestador de Dinheiro a Juros: O Sr. F. C. Glass, representante da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira no Brasil conta a história de Samuel Mello, um emprestador de dinheiro a juros famoso, que por meio da leitura do Novo Testamento que lhe foi dado, a leitura de O Peregrino, e finalmente ao ouvir um sermão sobre o jovem rico, foi levado, passo a passo, a completar sua entrega a Cristo. A primeira e mais prática evidência de sua conversão foi um largo sinal postado em seu escritório: “Não mais empréstimos com exigência de títulos de garantia. Este negócio foi liquidado,” e ele agiu corretamente daquela hora. Ele encerrou seus negócios com grande sacrifício, renunciou as coisas dúbias, e entregou a si, a sua família e seu tudo a Deus. Seus velhos amigos pensaram que ele enlouqueceu, mas na realidade ele tinha “vindo por decisão própria.” Dentro de três meses ele estava pregando com uma liberdade maravilhosa e poder convencedor, que o salão em São Paulo, à noite, estava lotado com ouvintes ávidos. Tornou-se um homem de oração e foi poderoso com as Escrituras, além de ter sido um ardente ganhador de almas. Sua zelosa e poderosa apresentação da verdade provou-se irresistível, e almas eram salvas sempre que ele falava. Ele empreendeu várias campanhas evangelísticas, conduzindo cultos nas vilas e cidades de maneira muito abençoada, ainda que acompanhado de muita privação e dureza. Texto: The Missionary Review of the World, Vol. XXVIII, nº 6, Junho de 1915, p. 476.