quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

FÉ: William Edwin Entzminger (1859-1930)




Em nenhuma transação desta vida a fé é tão essencial, como fator, quando na oração. Quem nutrir dúvidas acerca da eficácia da oração, e orar por costume, ou para não destoar da regra que outros seguem, jamais será bem sucedido em tão santo exercício. Para tal pessoa a oração será uma perfeita nulidade. O homem é constituído de tal forma que não pode perseverar, sinceramente, numa prática que não lhe traga resultados. “É necessário que aquele que se chega a Deus creia que há Deus, e que é galardoador daqueles que O buscam” (Hebreus 11:6).

     Quem, entretanto, tomas as Escrituras Sagradas como regra de fé e prática, jamais pode abrigar em seu coração qualquer dúvida acerca da eficácia da oração; porque elas ensinam, de modo categórico, que a oração é uma tremenda realidade e não uma fantasia, uma influência milagrosa na vida, um poder ilimitado no mundo. Eis o que afirma o Mestre infalível da oração, nosso Senhor Jesus Cristo: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mateus 7:7). “Disse-lhes Jesus: “Tudo é possível ao que crê” (Marcos 9:23)
 

A prática da oração.

William Edwin Entzminger (1859-1930).

Publicação União Geral de Senhoras
- Auxiliar à Convenção Batista Brasileira. Tomaz Coelho-RJ. 5ª edição, p. 51, 1958.

Nenhum comentário:

Postar um comentário