sábado, 2 de janeiro de 2016

O Espírito Santo e a Oração - Rev. Edward F. M. Staudt




O Espírito Santo e a Oração
Rev. Edward F. M. Staudt

     Nos é dito em Romanos 8:26,27 que “o Espírito nos auxilia em nossas enfermidades” para que possamos orar eficazmente.

    A primeira enfermidade é a ignorância. “Porque não sabemos como orar” e “é Ele que segundo Deus intercede pelos santos.”
    
    A segunda enfermidade é o esquecimento. Esquecemos tão facilmente as promessas de Deus, livramentos passados, as promessas feitas de orar pelos outros, os fardos do Espírito Santo postos sobre nós vez após vez. Esta é uma fraqueza humana. “Ele vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.” (João 14:26)

     A terceira enfermidade é o egoísmo. Nossas orações são tão estreitas. Não falta somente profundidade a elas, mas falta também largura. Oramos muito por nós mesmos e por nossas famílias, e tão pouco por “todos os santos” (Efésios 6:18), pela evangelização do mundo (Lucas 10:2), pela capacitação de Suas testemunhas (Efésios 6:19). O Espírito Santo é o Espírito de intercessão e nos guia a orar por um mundo necessitado.

   A quarta enfermidade é a descrença, resultado de dúvida e medo. Estevão era um homem “cheio do Espírito Santo” (Atos 6:3,8), consequentemente também “cheio de fé.” Seu último suspiro transmitiu uma oração ao trono pelo perdão de seus assassinos, e foi sem dúvida respondida na conversão de Saulo de Társis. Fé é essencial para oração eficaz, e o Espírito Santo é o Espírito de fé que nos capacita a crer pelo que pedimos (Marcos 11:24).

     A quinta enfermidade é o desfalecer (Lucas 18:1). A fim de “orar sem cessar,” ou como alguns colocam “orar sem interrupção” até que a resposta venha, necessitamos de um poder mais forte  do que o nosso coração natural (Lucas 18:2). “Os homens devem orar sempre sem nunca desfalecer.” O Espírito Santo é o “Espírito de graça e de súplicas” (Zacarias 12:10), que dará o espírito de perseverança, assim como Jacó e Elias tinha, para o mais fraco dos santos (Tiago 5:16-18), inspirando-os a oferecer a “oração feita por um justo pode muito em seus efeitos. Elias era homem sujeito às mesmas paixões (enfermidades) que nós e, orando, pediu que não chovesse, e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.” Crendo que os juízos de Deus são por causa de Sua bondade é uma cura certa para o desfalecer (Salmo 27:13,14).

    Cristão relutante, você não vê que no Espírito Santo Deus supriu o que você necessita para fazer sua oração eficaz? “Seja cheio com o Espírito.”

     A falta de oração dos membros individualmente, ou dos membros em geral da igreja, evidencia a falta do Espírito de Deus. Se quisermos orar eficazmente, devemos primeiro ter a certeza da habitação do Espírito Santo, e, após tê-Lo recebido, não devemos “entristecer” o Espírito pelo viver impuro, nem “extinguir” Suas obras pela indiferença ou falta de oração. Devemos rejeitar ou obedecer ao Espírito. Se por completo nos entregarmos a Ele, a nossa vida será uma vida de oração eficaz, constante e jubilosa.

The Alliance Weekly.
Volume LIV, Nº 32. New York,
November 6, 1920, p. 501.

Nenhum comentário:

Postar um comentário