quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Sem arrependimento não há perdão, Sem perdão não há salvação - D. L. MOODY




Sem arrependimento não há perdão
Sem perdão não há salvação
D. L. MOODY

Credes que Deus possa perdoar a um homem que não quer ser perdoado? Seria ele feliz se Deus lhe perdoasse em tal estado de espírito? Não. Se fosse possível entrar no céu sem arrependimento, o próprio céu seria para ele o inferno. O céu é um lugar preparado para os que estão preparados, e para mais ninguém. Se vosso filho cometer uma falta e não quiser pedir perdão, não podeis perdoar-lhe. Se o fizerdes praticareis uma injustiça, e fareis-lhe maior mal do que bem. Suponhamos que ele fosse ao vosso escritório, tirasse de lá cem mil réis, e os desbaratasse, ao chegar ele à casa, vosso empregado vos contasse o que ele tinha feito, que ele mesmo confessasse a sua falta, mas longe de pedir perdão, dizia, ou manifestava intenção de em qualquer oportunidade repetir a falta. Dir-lhe-eis: “Bem, filho, eu te perdoo?” Não, certamente. E entretanto muita gente diz que Deus finalmente salvará a todos, quer se arrependam ou não – aos bêbados, aos ladrões, às meretrizes, aos adúlteros; a todas as pessoas, finalmente, quaisquer que sejam os seus pecados, e quer eles se arrependam ou não. “Deus é tão misericordioso!” dizem. Não vos deixeis iludir pelo deus deste mundo. É só quando vos houverdes arrependido e voltado para Deus que Ele se voltará para vós, vos perdoará e abençoará. Davi cometeu um erro funesto quando perdoou ao seu filho Absalão o crime que havia cometido sem estar arrependido; mas colheu o resultado desse erro, sendo algum tempo depois destronado por ele. Deus não comete semelhante erro. Um grande pregador disse, e muito bem, acerca do arrependimento: “O arrependimento, estritamente falando, é uma mudança de mente ou de propósito, sendo por consequência a sentença que o pecador pronuncia sobre si mesmo, em vista do amor que Deus lhe há mostrado na morte de Cristo, juntamente com o abandono de toda a confiança que tenha em si mesmo – em seus méritos, obras ou ritos que possa praticar – e a fé no único Salvador dos pecadores. O arrependimento e a fé cooperam juntamente na salvação do pecador. Quem quer crer, não tem que duvidar do seu arrependimento.” O que nos conduz a um verdadeiro arrependimento, não é tanto a grandeza do nosso pecado, quanto a grandeza do amor de Deus para conosco, que o levou a sacrificar o seu bendito Filho em nosso lugar para poder oferecer-nos um perdão que não merecíamos. O modo único, portanto, pelo qual alguém pode arrepender-se para o perdão, é crer no Senhor Jesus Cristo, “que foi entregue pelos nossos pecados, e ressuscitou para nossa justificação”.

Jornal Baptista. Ano XXII, nº9.
Rio de Janeiro-RJ, 2 de Março de 1922, p. 1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário