domingo, 31 de maio de 2015

QUÃO DIGNO DEUS É! [S. D. GORDON (1859-1936)]



Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do SENHOR!
Os nossos pés estão dentro das tuas portas, ó Jerusalém.
Jerusalém está edificada como uma cidade bem sólida, aonde sobem as tribos, as tribos do SENHOR, como testemunho de Israel,
para darem graças ao nome do SENHOR, pois ali estão os tronos do juízo, os tronos da casa de Davi. Orai pela paz de Jerusalém! Prosperarão aqueles que te amam. Haja paz dentro de teus muros e prosperidade dentro dos teus palácios. Por causa dos meus irmãos e amigos, direi: haja paz em ti! Por causa da Casa do SENHOR, nosso Deus, buscarei o teu bem.
Salmo  122: 1-9

 Adorar é realmente pensar no coração o quão digno Deus é, o quão amável e amoroso, e o quanto pensa em nós. Podemos fazer isto todo o tempo, em todo lugar.  Mas há uma bênção especial quando nos reunimos com os outros para derramar nosso louvor e adorar, e aprender mais do nosso maravilhoso Deus. Ele se deleita em nos ter fazendo isto. É doce ter comunhão com os outros nas coisas que nos orgulhamos mais.

THE BENT-KNEE TIME.
S. D. GORDON (1859-1936)
AMERICAN SUNDAY-SCHOOL UNION. PHILADELPHIA, 1918, p. 118.

LEITURA DEVOCIONAL




Deus é Espírito, 
e importa que os que O adoram O adorem em espírito e em verdade. João 4:24

God is a Spirit: 
and they that worship Him must worship Him in spirit and in truth. John 4:24

JEUS FILM in IRAQW

sábado, 30 de maio de 2015

DUAS HISTÓRIAS EM UMA: S. D. GORDON (1859-1936)




E levaram-no ao lugar do Gólgota, que se traduz por lugar da Caveira. E deram-lhe a beber vinho com mirra, mas ele não o tomou. E, havendo-o crucificado, repartiram as suas vestes, lançando sobre eles sortes, para saber o que cada um levaria. E era a hora terceira, e o crucificaram. E, por cima dele, estava escrita a sua acusação: O REI DOS JUDEUS. E crucificaram com ele dois salteadores, um à sua direita, e outro à esquerda. E cumpriu-se a Escritura que diz: E com os malfeitores foi contado. E os que passavam blasfemavam dele, meneando a cabeça e dizendo: Ah! Tu que derribas o templo e, em três dias, o edificas! Salva-te a ti mesmo e desce da cruz. E da mesma maneira também os principais dos sacerdotes, com os escribas, diziam uns para os outros, zombando: Salvou os outros e não pode salvar-se a si mesmo. O Cristo, o Rei de Israel, desça agora da cruz, para que o vejamos e acreditemos. Também os que com ele foram crucificados o injuriavam. E, chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até à hora nona. E, à hora nona, Jesus exclamou com grande voz, dizendo: Eloí, Eloí, lemá sabactâni? Isso, traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? E alguns dos que ali estavam, ouvindo isso, diziam: Eis que chama por Elias. E um deles correu a embeber uma esponja em vinagre e, pondo-a numa cana, deu-lho a beber, dizendo: Deixai, vejamos se virá Elias tirá-lo. E Jesus, dando um grande brado, expirou. E o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo. E o centurião que estava defronte dele, vendo que assim clamando expirara, disse: Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus.
Marcos 1 5: 22-39


A Cruz expõe duas histórias: uma tenebrosa, um vaso feio tenebroso, a história do pecado. O pecado lavrou a cruz, e teceu os espinhos, e direcionou os cravos: nosso pecado. E uma história, esta, em vermelho, fluindo um vermelho vibrante, a história do amor, Seu amor, que entregou-se à cruz e aos cravos e à vergonha por nós. E somente a paixão de Seu amor ardendo por dentro nos fará odiar o pecado, então, somente o Seu sangue poderá limpá-lo.


THE BENT-KNEE TIME.
S. D. GORDON (1859-1936)
AMERICAN SUNDAY-SCHOOL UNION. PHILADELPHIA, 1918, p. 86.

LEITURA DEVOCIONAL



 Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de Mim, ... e encontrareis descanso para a vossa alma. 
Mateus 11:29

Take My yoke upon you,  and learn of me; 
[...] and ye shall find rest unto your souls. 
Matthew 11:29

sexta-feira, 29 de maio de 2015

POR NÓS: S. D. GORDON (1859-1936)




Portanto, convém-nos atentar, com mais diligência, 
para as coisas que já temos ouvido, para que, 
em tempo algum, nos desviemos delas. salvação deles.  
Hebreus 2:1


O sofrimento de Jesus é distinto em si mesmo; completamente aparte de qualquer outro sofrimento. Foi puramente voluntário; a vida aqui em que embaixo que ele levou, o sofrimento de espírito através de sua vida, e o grande clímax — a Cruz. Foi tudo feito de sua própria livre vontade por nós. Ele tomou o nosso lugar e tomou o que pertencia a nós. Isto revela o real amor e o significado do sofrimento de Jesus.

THE BENT-KNEE TIME.
S. D. GORDON (1859-1936)
AMERICAN SUNDAY-SCHOOL UNION. PHILADELPHIA, 1918, p. 70.